sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Reminiscências do Indiana Bode... I love you all!!! :)

Diz Fernando Pessoa...

Eu só aprecio... E aproveito para dedicar a vocês, meus amigos indianas.

"Um dia a maioria de nós irá separar-se.

Sentiremos saudades de todas as conversas atiradas fora, das descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que partilhámos.

Saudades até dos momentos de lágrimas, da angústia, das vésperas dos fins-de-semana, dos finais de ano, enfim... do companheirismo vivido.
Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre.

Hoje já não tenho tanta certeza disso.
Em breve cada um vai para seu lado, seja pelo destino ou por algum desentendimento, segue a sua vida.

Talvez continuemos a encontrar-nos, quem sabe... nas cartas que trocaremos.
Podemos falar ao telefone e dizer algumas tolices...
Aí, os dias vão passar, meses... anos... até este contacto se tornar cada vez mais raro.

Vamo-nos perder no tempo...
Um dia os nossos filhos verão as nossas fotografias e perguntarão:
Quem são aquelas pessoas?
Diremos... que eram nossos amigos e... isso vai doer tanto!

- Foram meus amigos, foi com eles que vivi tantos bons anos da minha vida!
A saudade vai apertar bem dentro do peito.
Vai dar vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente...
Quando o nosso grupo estiver incompleto...
reunir-nos-emos para um último adeus a um amigo.
E, entre lágrimas, abraçar-nos-emos.
Então, faremos promessas de nos encontrarmos mais vezes daquele dia em diante.

Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vida isolada do passado.
E perder-nos-emos no tempo...
Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo: não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de grandes tempestades...
Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!
"

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Jantar mensal

Já que não há post, nem foto de sofá, do jantar mensal de Maio, calhou-me a mim o pequeno reporte da praxe do jantar do mês de Junho.

Acho que se pode resumir a petiscos como nunca nenhum de nós viu, e conversas que nos deixam a todos sem palavras...

Eis as fotos:

...

Agora entramos em Julho... Férias a caminho...
Ainda se faz jantar mensal este mês, ou ficamos com a memória do jantar do mês de Junho? :)

terça-feira, 7 de junho de 2011

A ti...



... muitos parabéns di!;)

Gostava muito de daqui a 30 anos poder estar aqui!;)

Fica a pretensão e nestas poucas palavras, porque embargadas pelo carinho, admiração e felicidade, a homenagem ao administrador original e natural deste blog!

Que esta "fotografia" seja uma constante na tua vida...

De todos nós!

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Há Gato em Coimbra #8

No Comício do PS em Coimbra, Manuel Alegre, a grande figura associada à cidade, manifestou expressamente o seu apoio incondicional ao PS. “Se excluírem Sócrates, excluem-me a mim”.

"Ele há coisas"... Não sou politólogo, mas parece-me que desta forma acabou mesmo por excluir mas foi José Manuel Pureza, anterior líder parlamentar do BE...

Ao trabalho



Domingo, 5 de Junho, cerca das 19:00...

O fim de um fim-de-semana perfeito, para relaxar e reflectir.

Na hora de regressar à capital de trabalho, no horizonte, o céu adivinha a mudança que o país esperava.

Não só pela cor que entrerraia nas nuvens, como pelo período mais escuro que o pôr-do-sol anuncia.

Vai ser duro. Mas como alguém dizia em tempos neste blogue, fomos e somos um povo pioneiro e conquistador”. Vamos ter agora oportunidade de o demonstrar uma vez mais, nessa grande obra que vai ser a reabilitação deste cantinho a beira-mar plantado.

Cabe a todos e cada um de nós aceitar a sua função nesta empreitada: aceitar a sua picareta, o seu martelo, o seu lápis e papel, e dar um bocadinho mais de si, em prol de todos.

Reforçar os alicerces do exemplo aos mais jovens, reconstruir paredes sólidas na educação, abrir janelas internacionais à exportação, arranjar o jardim que atrai turistas, cuidar da nossa horta laboral, com criação de apoios necessários à flexibilidade inerente das pequenas e médias árvores que queremos ver crescer, e depois de ontem, colocar um telhado sem vidros na política, capaz de resistir às intempéries que se avizinham.

Uma palavra de apreço, desta feita, aos engenheiros que vão conduzir e orientar esta empreitada a partir do Parlamento: não pode haver derrapagens.

Nem no orçamento, nem no tempo de construção.

Meu caríssimo amigo Pedro, agora que aí estás, é hora de mostrares a este país e a todos os que te conhecem, e que te concederam essa responsabilidade, que és capaz de obra desta envergadura.

Eu, por mim, deixei o Sol pôr-se, e estou pronto a pegar nos instrumentos que tenho à mão para ajudar. Até porque, se depois do pôr-do-sol, há noite, depois da noite há amanhecer.

Tenho esperança que o meu país voltará a amanhecer.


Há gato em Coimbra #5, #6 e #7

Por estes dias, naqueles idos tempos de estudante dos inícios da primeira década do Sec. XXI, interrompia-se o período de estudo para celebrar, em fim de Primavera, as novas Primaveras de bons amigos. Um a 06.06, outro a 07.06.

Neste rúbrica em atraso, faz-se um 3 em 1, e festeja-se a 05#, #06, e #07 (no dia do meio).

A #05, os parabéns vão para esse companheiro (no sentido amplo da palavra) que atinge um ponto alto de carreira ao serviço da res publica. Pedro Pimpão, muitos parabéns - gostei de ver como chegaste e abraçaste a tua Cabra Perdida.


A #06, hoje mesmo, os Parabéns vão para o meu conterrâneo de Braga, também companheiro de casa, hoje pai de família. Pelas suas 3 décadas de Primaveras, de experiências, convívios e ensinamentos. Entre nós, entre amigos, o nosso Fred. Que também tem um lugar especial no Indiana. É bom ver que também a tua Cabra não mais parece Perdida.


A #07... Já sei, dá azar parabenizar antes da hora. Anuncie-se apenas... É o Presidente (será sempre, o cargo é vitalício) da AG do Indiana; o Administrador do Blogue que tanta volta deu mas que lhe deve as raízes; o amigo politicamente correcto e selectivamente vivã. Meu caro DMG, aqui fica desde já o prenúncio do festejo das tuas Primaveras, não entre estudos, como outrora, mas entre responsabilidades de quem passa já a barreira dos "inte".


quarta-feira, 1 de junho de 2011

...


Porque todos vêem e ninguém comenta ou posta?!
Eis a questão que me venho perguntando e parece me que a ausência de resposta muito dirá da vontade dos presentes...

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Portugalar

E porque não uma tarde diferente a conhecer um pouco do que se faz tão bem no nosso país?...


É de sonhos inquietos e de gentes que não se acomodam e persistem em conduzir, sem medo, essa locomotiva desenfreada que é a nossa vontade, que as ideias empreendedoras se materializam e os grandes projectos ganham uma dimensão real.


Tudo começou num pequeno lugar perto da vila de Ílhavo e a beira da ria de Aveiro - na Quinta da Ermida. Um fidalgo do século XIX nascido no Porto, de seu nome José Ferreira Pinto Basto, inspirado pela fábrica de vidros da afamada Marinha Grande, criou a mais importante fábrica de "porcelanas, vidros e processos químicos" do nosso país - a Vista Alegre.




Visitar a Fábrica da Vista Alegre é como entrar às escondidas na cozinha dos Pastéis de Belém… é conhecer o segredo de uma tradição centenária, onde se preserva a porcelana feita e trabalhada à mão, com um toque de inovação e modernização que fazem desta instituição lider do mercado português e uma das mais automatizadas fábricas de todo o mundo.


Desde a concessão do alvará em 1824 por D. João VI, que a VA ocupa um lugar por excelência nesta arte e os seus serviços são usados oficialmente pelo nosso PR, na Casa Branca e engrandecem as mesas das casa de muitas personalidades do mundo actual - por exemplo os recém casados Ercilia e João Firmo. As peças da VA brilham também em museus, como o Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque.


A Quinta da Vista Alegre é um complexo que integra vários edifícios, as oficinas, um Museu, uma Capela, um Palácio, um Teatro e o Bairro Social construído para os seus trabalhadores.


Respira-se história, sentem-se as nossa raízes e num circuito organizado levantam o pano sobre o processo de fabrico, desde as fases iniciais da produção até ao produto final, demonstrando o porquê da qualidade técnica e artística marcadamente reconhecidas à VA.


Muitas curiosidades se associam a esta familia e a esta fábrica, nomeamente o facto de terem sido os bisnetos do fundador que introduziram a pratica do futebol, tal como o conhecemos hoje, em Portugal; terem o corpo privativo de bombeiros mais antigo do país; e histórias caricatas como a do Pato e a da Pata e dos Camelos, que poderão a ficar a conhecer nesta visita guiada que vos sugiro.


Bom fim de semana e daqui a nada voltarei para portugalar mais um bocadinho!;)

quarta-feira, 18 de maio de 2011

?????

Sabemos que viver nas catacumbas de uma Faculdade de Direito com mais de 700 anos, onde a humidade impregnada nas paredes dificulta a circulação de óxigénio e o frio gélido tira a agilidade natural de umas mãos trabalhadoras, não é fácil...


Mais se junta a distracção constante vinda dos andares de cima, onde dezenas passam diariamente aos berros, seja pela greves de zelo ou pelas bejecas que deitaram a baixo no bar da faculdade durante a aula de economia política (quem aguenta o Adam Smith e o David Ricardo!)...


Que o trabalho exige minúcia e a perfeição com que executam o seu trabalho pode levar anos, toda a gente sabe mas não terão passado, porventura, anos a mais? Nesta altura, não deveríamos nós já exibir o nosso diploma catita algures numa parede branca para contrastar com o simbolo e o selo vermelho?


Eu pelo menos continuo sem poder provar, orgulhosamente, a "olho nu" a minha graduação. O que me leva ao seguinte pensamento: será que até os monges copistas estão em greve?


O que me leva logo a seguir a outra questão: porque ninguém se lembrou de pôr o Sr. Varandas no comando? Ai é que as tropas andavam ligeirinhas...